Vale a pena investir em sucos funcionais?

Hoje um texto um pouquinho diferente: também sou consumidor!

Andando entre as gôndolas do supermercado, garrafas bonitas (fotos abaixo) me chamaram a atenção. Quando o assunto é  “bebidas industrializadas”, um embalagem bonita não costuma ser suficiente para me convencer que o produto é saudável. Para não comprar gato por lebre, sempre leio a lista de ingredientes e a tabela nutricional do produto. Diferente da grande maioria das bebidas de frutas disponíveis no comércio, estas realmente são sucos, isto é, são feitas exclusivamente com componentes vegetais, com exceção da versão suplementada com colágeno. Isto é algo bom, pois não há açúcar adicionado.

sucos funcionais 1

 

Na lista de ingredientes não encontrei conservantes: outro ponto positivo. No entanto, diferente dos sucos naturais, que são preparados com as frutas de verdade, as benéficas fibras estão praticamente ausentes nestas versões industrializadas. As fibras são importantes pois ajudam a diminuir o índice glicêmico da bebida, isto é, fazem com que os açúcares sejam absorvidos de maneira mais lenta, evitando assim picos de glicose na corrente sanguínea e hiperestimulação do pâncreas.

A versão com frutas vermelhas e roxas é a mais interessante. Morango, mirtilo, amora, framboesa, açaí e uvas escuras mostraram-se benéficas em diversos estudos. Seu potencial antioxidante protege inclusive os neurônios, ajudando a prevenir demências.

A versão dita “detox” é a que apresenta a maior lista de componentes vegetais. Contudo, não há evidência de que sucos ajudem a desintoxicar o  organismo. Intestino, fígado e rins costumam dar conta do recado. Dentro de uma alimentação balanceada, se substituir escolhas menos saudáveis, o suco pode dar uma força. Não por eliminar toxinas, mas por evitar o consumo destas.

A versão com colágeno é a menos interessante tanto pela falta de evidências sólidas de benefício quanto pela baixa concentração presente por porção nesta bebida. Para quem é vegetariano, esta versão com colágeno é um “pegadinha”, diga-se de passagem.

Acabei colocando as três versões no carrinho e trazendo pra casa, apenas para experimentar. Como costumo comer regularmente as frutinhas vermelhas e roxas, não vejo vantagem em consumir este tipo de bebida. Quanto à versão “detox”, prefiro evitar abusos alimentares, ter um alimentação balanceada e cuidar bem do meu fígado, intestino e rins. Por fim, um franguinho grelhado pode dar conta do colágeno de forma mais eficiente que um suco. E para matar a sede? Melhor é água! Bebidas saciam pouco. E as calorias extras podem virar quilos extras.

Em resumo, a relação custo benefício deste tipo de bebida não é das melhores. Muito dinheiro gasto para pouco retorno em saúde. Só vale a pena, se você estiver com intenção de levar refrigerantes ou néctares (“sucos” de caixinha) cheios de açúcar para casa.

Dr. Mateus Dornelles Severo

Médico Endocrinologista

Mestre em Endocrinologia

CREMERS 30.576

www.facebook.com/drmateusendocrino

Deixe uma resposta