Vitamina D durante a gravidez

Muito tem se falado nos possíveis efeitos da vitamina D para a saúde. Diferentes estudos mostram associação de deficiência desta vitamina com as mais variadas doenças. Contudo, no que se refere ao tratamento, ainda existem poucas evidências de que a reposição de vitamina D possa trazer benefícios. Logo, o mais sensato é individualizar a abordagem. Isto é, nada de sair dosando 25 hidroxivitamina D (a vitamina D é convertida nesta forma no nosso fígado para durar mais tempo na circulação) no sangue de todo mundo. Muito menos, oferecer tratamento para quem provavelmente não vá ter benefícios.

No entanto, um grupo de pacientes que tem potencial de se beneficiar com a vitamina D é o das mulheres grávidas. Vamos entender o porquê.

vitamina d me

Durante os primeiros 6 meses de gestação, o feto está formando a maior parte dos tecidos do corpo, inclusive a matriz de colágeno dos ossos. Nesta fase acontece a formação de um osso “fibroso” que ainda não recebeu o cálcio para ficar rígido. Nos últimos 3 meses é que o feto começa a demandar mais cálcio para fortalecer seus ossos. Este aporte de cálcio é garantido pela maior conversão de 25 hidroxivitamina D em calcitriol pelos rins e placenta da futura mamãe. O calcitriol é a forma mais ativa da 25 hidroxivitamina D e ajuda a gestante a absorver melhor o cálcio da alimentação. Logo, pelo aumento da demanda, a mulher grávida tem um risco maior de apresentar deficiência de vitamina D. Esta deficiência está associada a complicações obstétricas como diabetes gestacional, pré-eclâmpsia e bebês pequenos ao nascimento.

Então isto quer dizer que o tratamento com vitamina D ajuda a grávida a manter uma gestação mais tranquila? Possivelmente sim, embora a Medicina ainda não tenha conseguido fornecer dados confiáveis a respeito, isto é, ainda faltam evidências de que o tratamento com vitamina D realmente ajude a prevenir as complicações acima.

Apesar da falta de estudos, recomenda-se o tratamento com pelo menos 600 UI de vitamina D em toda a mulher grávida. Algumas podem também precisar dosar a 25 hidroxivitamina D e receber tratamento com doses mais elevadas. Até que os resultados de mais pesquisas estejam disponíveis, esta é a conduta recomendada, pelo potencial benefício e baixo risco associado ao tratamento.

Dr. Mateus Dornelles Severo

Médico Endocrinologista

Mestre em Endocrinologia

CREMERS 30.576

www.facebook.com/drmateusendocrino

Deixe uma resposta