Adaptações metabólicas e hormonais da gravidez

A mulher grávida passa por uma série de adaptações anatômicas e fisiológicas em quase todos os sistemas do organismo. Isto quer dizer que o corpo muda para acomodar de maneira apropriada a nova vida que se desenvolve. O metabolismo e o sistema hormonal da gestante mudam muito. Vejamos o que acontece…

Durante toda a gestação, e principalmente nos últimos 3 meses, o metabolismo da futura mamãe se adapta bastante. A placenta produz hormônios que têm o objetivo de garantir nutrição adequada ao feto. Estes hormônios são GH, CRH, hCS e progesterona. Juntos ele aumentam a resistência a insulina, e isto faz a gestante usar mais lipídios como energia para si, reservando glicose e proteínas para o bebê em desenvolvimento, já que estes nutrientes atravessam mais facilmente a placenta. Justamente devido a esta adaptação, as mulheres grávidas tendem a ter níveis mais baixos de glicose e níveis mais elevados de triglicerídeos. O colesterol também sobe durante a gravidez, pois é usado pela placenta na produção de diversos hormônios.

gravida

Diversas glândulas endócrinas modificam sua função durante a gravidez. Hipófise, paratireoides, tireoide, adrenais e ovários passam a funcionar de maneira diferente para se adaptar às necessidades da mãe e do feto.

A hipófise é a principal glândula do organismo, pois comanda a função de todas as outras. Por isso, também é quem mais modifica seu funcionamento no decorrer da gestação. Entre as mudanças no funcionamento da hipófise podemos citar:

– As gonadotropinas, LH e FSH, que são responsáveis pela ovulação e menstruação, diminuem durante a gravidez. Isso acontece devido ao efeito inibitório de hormônios placentários como a progesterona e estradiol.

– O hormônio do crescimento, ou GH, também tende a diminuir, já que é progressivamente produzido pela placenta.

– A produção de prolactina aumenta progressivamente durante toda a gestação. Este é o hormônio responsável pela produção do leite materno.

– O ACTH, hormônio responsável por estimular as adrenais a produzir cortisol, também aumenta, estimulado pelo CRH da placenta. Esse processo faz parte do mecanismo de resistência a insulina já explicado.

– O TSH, hormônio responsável por controlar a tireoide, apresenta pequena queda. O HCG, hormônio produzido pela placenta, é o responsável. Apesar desta ligeira queda, a tireoide não costuma a apresentar diminuição significativa de sua função.

Todas estas modificações na secreção hormonal hipofisária visam manter o equilíbrio hormonal. Estas alterações garantem o funcionamento apropriado das glândulas adrenais e da tireoide. Se isto não acontecesse, doenças como hipertireoidismo, por exemplo, poderiam acontecer.

Outro hormônio importante produzidos pelas glândulas adrenais é a aldosterona. A aldosterona tem a função de reter sódio e manter a pressão arterial. Como a gestante tende a ter vasodilatação, a produção de aldosterona sobe durante a gravidez para que a pressão não baixe excessivamente.

O conhecimento de todo esses mecanismos hormonais é muito importante, pois não configuram doença e sim adaptação do organismo. O médico obstetra deve estar familiarizado para evitar diagnósticos incorretos e encaminhar devidamente a paciente que precisar de avaliação endocrinológica.

Dr. Mateus Dornelles Severo

Médico Endocrinologista

Mestre em Endocrinologia

CREMERS 30.576

www.facebook.com/drmateusendocrino

Deixe uma resposta