Sal: evitando o consumo excessivo

A procura por uma boa saúde leva as pessoas a escolherem alimentos com pouco açúcar e gordura, mas a quantidade de sódio presente nos alimentos também é importante. Hoje, segundo a Associação Brasileira de Nutrição, cerca de 60% dos idosos são hipertensos por conta do exagero de sódio.

Apesar dos termos serem usados como sinônimos, sal e sódio não são a mesma coisa. O sódio (Na) é um mineral que se liga ao cloro (Cl) para formar cloreto de sódio (NaCl), estes sim o nosso sal de cozinha.

sal_mateus_severo_endocrinologia

O sódio apresenta um papel importante em diversas funções do organismo, principalmente no equilíbrio entre os fluidos celulares e extracelulares. Atua também na transmissão de impulsos nervosos em todo corpo, permitindo assim o funcionamento do cérebro e o controle de nossas funções vitais.

O sódio está presente naturalmente na maioria dos alimentos. O seu consumo excessivo ocorre quando ingerimos sal exageradamente, já que este alimento é a fonte mais abundante desse mineral. O sódio, e não o sal em si, é o elemento diretamente relacionado com a hipertensão (pressão arterial elevada) e outros problemas como derrame cerebral, catarata, problemas renais e até mesmo casos de câncer gástrico (estômago).

Porém, nas embalagens, só é informada a quantidade de sódio, e não a de sal. O consumidor deve estar atento aos rótulos e lembrar que o consumo máximo diário de recomendado para uma pessoa saudável pela Organização Mundial da Saúde deve ser de 2 g de sódio e de 5 g de sal de cozinha (o equivalente a uma tampa de caneta cheia). Desse total, cerca de 75% corresponde ao adicionado durante o preparo do alimento, com o objetivo de preservá-lo ou para lhe dar sabor. O restante já está presente naturalmente.

Os alimentos industrializados podem ser fontes muito ricas de sódio. Por isso, devemos ficar atentos aos rótulos. A nova legislação obriga os fabricantes de alimentos e bebidas incluírem nas tabelas de informação nutricional, a quantidade de sódio presente, bem como o valor diário de referência por porção (VD). Isto quer dizer que se no rótulo de uma massa congelada, por exemplo, você observar um VD de 40%, quer dizer que você estará ingerindo 40% do sódio necessário para atingir suas necessidades diárias. E isto em apenas uma porção do alimento!

Também merecem atenção os termos que indicam a presença de ingredientes ricos em sal como “salmoura”, “curado”, “salgado”, “picles”, “consomê” e “molho de soja”. Picles, condimentos (como mostarda, ketchup, molhos de salada e molhos industrializados), enlatados, conservas, embutidos (como o salame, salamito, presunto, mortadela, salsicha, etc.), queijos salgados, patê, salgadinhos, sopas e temperos prontos, carnes e pescados defumados, bacon, toucinho, adoçantes que contenham ciclamato ou sacarina sódica e refrigerantes são ricos em sódio.

Logo, preparar as refeições em casa e evitar alimentos industrializados são atitudes que ajudam a diminuir a ingestão sal em excesso. Para garantir o sabor, basta utilizar outros temperos como limão, orégano, salsa, cebola, cebolinha, pimentão, alho ou alecrim. Fica a dica.

Maiana da Costa Vieira

Nutricionista

CRN2 9642

maianavieira@hotmail.com

Deixe uma resposta